QUEM SOMOS?

DO RESPEITO PELA TRADIÇÃO À OUSADIA DA INOVAÇÃO

Aceites Alguijuela é uma pequena empresa familiar agrária, que se estabeleceu no cultivo da oliveira desde tempos imemoriais, como é disso testemunha o nosso olival centenário da variedade Verdial de Badajoz.

Encontramo-nos na localidade de Torremayor, dentro das férteis terras das Vegas Bajas do Guadiana e na Comarca de Mérida, terra de milenar tradição de cultura oleícola desde a criação da capital romana «Emérita Augusta». Prova disso é «a presença de um lagar de azeite em funcionamento durante os séculos II e III d.C. na vila de Torre-Águila, a cerca de 25 Km da capital lusitana e nas imediações da Iter ab Emeritam Olisipone (calçada romana de Mérida a Lisboa) que abastecia do apreciado ouro líquido a capital e arredores” (1).

Da tradição dos nossos antepassados aprendemos a admiração e o amor pela natureza. Compreendemos a importância de respeitar os tempos nos processos de criação e, sobretudo, a força para (assim como a oliveira) suportar os períodos de carestia.

Com esta base de valores, demos início no ano 2012 à modernização dos nossos cultivos, procurando os solos mais propícios para as novas plantações de Arbequina e Arbosana, fazendo uso de avançados sistemas de rega orgânica e estabelecendo o nosso olival na categoria de Produção Integrada. (2)

Na Aceites Alguijuela sabemos que para obter um azeite premium da máxima qualidade são tão importantes os fatores do clima, solo ou variedade, como a boa configuração e dimensionamento da nossa unidade de extração. Para isso, contamos com a assessoria de experientes engenheiros no setor oleico e optamos pela mais avançada tecnologia italiana da marca Pieralisi.

A Alguijuela estabeleceu o desafio de conseguir a máxima qualidade nos seus A.V.E.; o azeite que aqui lhes apresentamos é o azeite com que alimentamos os nossos filhos, com o qual queremos ver crescer os nossos rebentos.


Este é o azeite que, com todo o nosso carinho, colocamos hoje nas suas mãos!

O NOSSO OLIVAL E AS SUAS VARIEDADES

Estou colado com as duas mãos a esta pasta de azeitona. Que Deus, neste instante, me feche o mundo como um livro e diga: Acabou; que a trompeta soe a chamada aos mortos. Apresentar-me-ei ao juízo final acariciando azeitonas nos meus bolsos; e se já não tiver bolsos, acariciarei azeitonas nas minhas mãos; se já não tiver mãos, acariciarei azeitonas nos meus ossos; e se não me restarem ossos, tenho a certeza que encontrarei forma de continuar a acariciar azeitonas: mesmo que seja só em espírito
Jean Giono

Estas palavras do escritor Jean Giono são uma verdadeira declaração de princípios para nós. Pertencemos ao olival e defendemos a sua cultura. Dessa defesa parte o compromisso do Lagar Alguijuela em comercializar A.V.E. provenientes única e exclusivamente dos nossos próprios olivais. Somos extremamente zelosos com a qualidade do produto que lhe propomos, por isso, encarregamo-nos de toda a cadeia do azeite, desde o cultivo do olival até à distribuição do produto.

São três as variedades das nossas oliveiras:

ARBEQUINA

A barragem dos Canchales encontra-se rodeada por pastagens e por algumas zonas de terras de regadio a sul. É o ambiente idílico para a vida e a criação de inúmeras espécies de aves. A barragem foi concluída dentro das Zonas de Especial Proteção para as Aves (ZEPA) e pertence à Rede Natura 2000. É considerada uma zona húmida de importância internacional.

Nesta zona de regadio a sul da barragem fica o nosso olival de arbequina, na zona conhecida como Casarente. O quadro de plantação é superintensivo em sebe. O arbequino é uma oliveira de vigor baixo e porte aberto, com boa produção e raramente aneira. A apanha é feita cedo para obter azeite de boa qualidade e através de uma máquina «vindimadora».

O Virgem Extra Arbequina apresenta um aroma frutado de azeitona, maçã, banana e amêndoa. É um azeite fluído, suave e doce, em que quase não se sentem sabores amargos ou picantes, o que o torna adequado para os paladares menos habituados ao sabor do azeite tradicional.

ARBOSANA

Situada em plena Vegas Bajas del Guadiana. Esta parcela de regadio de apenas 5 hectares, pertencente àquilo a que se chamava na altura o Plan Badajoz, conserva as estruturas originais desse plano e alberga o nosso olival em sebe superintensivo da variedade Arbosana. Esta oliveira também é de vigor reduzido e elevada produtividade. Apanha-se algumas semanas depois do Arbequino e proporciona-nos um A.V.E. frutado, resistente à rancidez pelo seu elevado teor em ácido oleico (74%), com amargos e picantes de intensidade média-alta. Evoca odores a erva acabada de cortar, amêndoa, tomate, noz ou alcachofra. Os sabores são persistentes e agradáveis.

VERDIAL DE BADAJOZ

A Verdial de Badajoz ocupa em Espanha uma superfície próxima dos 30 000 Ha., estende-se pela província de Badajoz e Cáceres, chegando até Portugal. É a nossa variedade autóctone e a rainha da casa.

A nossa Verdial encontra-se na zona de sequeiro da nossa Comarca. Estas oliveiras são a raiz do nosso projeto, dado que aqui se encontram os nossos olivais centenários.

A Verdial de Badajoz é uma oliveira de vigor médio-alto, porte ereto e copa espessa, pouco aneira e com elevada resistência à seca. Produz um fruto grande, de peso elevado e com elevado rendimento gordo. O azeite da Verdial de Badajoz é rico em ácido linoleico e oferece-nos A.V.E. de frutado médio-alto. Destaca-se na boca pelos tons de amêndoa e frutas maduras. Tem um sabor agradável e doce, com amargo e picante leve.

O LAGAR DE AZEITE

LOCALIZAÇÃO E HISTÓRIA

O lagar de azeite está situado na localidade de Torremayor (Badajoz). Lugar estratégico por se encontrar equidistante de todos os nossos olivais, o que nos permite, depois da apanha, fazer o transporte do campo até ao lagar em poucos minutos. Além disso, como se pode observar no mapa, conta com uma boa rede de comunicações e está próximo dos principais núcleos populacionais como Mérida e Montijo.

O nome «Alguijuela», assim como as palavras azeitona e azeite, são provenientes do árabe. Alguijuela significa «Caminho de Guijos» e é denominação que recebeu a localidade após a invasão árabe de Muza no início do séc. VIII. Nome esse que irá manter até 1649, quando Alguijuela compra a Felipe IV o título de Vila e passa a chamar-se Villa de la Alguijuela del Conde. Posteriormente, em finais desse mesmo séc. XVII, e por desejo expresso dos seus habitantes, mudou o seu nome para o atual Torremayor. Recordando essa história e prestando homenagem a esse nome nasce a Aceites Alguijuela e o seu anagrama.

Nuestros Productos

¡Ah! Mi querido Teo, ¡si vieras los olivos en esta época!... El follaje vieja plata y plata verdeante contra el azul. Y el suelo labrado naranjizo. Es algo totalmente distinto de lo que se piensa en el norte, ¡es de una finura, de un distinguido! El murmullo de un huerto de olivos tiene algo de muy íntimo, de inmensamente viejo. Es demasiado hermoso para que me atreva a pintarlo o pueda concebirlo.